Hoje vou compartilhar com vocês meu relato de leitora e de amiga desse casal nerd! Nós viemos para cá já com emprego garantido e vamos compartilhar muitos detalhes com vocês sobre essa jornada.

Primeiro vou me apresentar! Eu sou a Brunna. Eu sou programadora e paulista, e junto com meu marido, o Ricardo, que também trabalha na área de TI, vim para Vancouver. Chegamos com aquilo que muita gente sonha: visto de trabalho e emprego (dele) garantidos!

Muita gente me diz que se fosse assim, nem se preocuparia em se planejar e pensar no Express Entry. Mas não a gente! Estavamos no foco do plano canadá, encontramos esse blog, e traçamos vários planos!

Por quê sair do Brasil? E porque Vancouver?

Tanto para mim quanto para o meu marido, basicamente estava insuportável viver em São Paulo. Todos os planos para o futuro eram cheios de preocupação, a rotina era massacrante e até mesmo planejar uma noite de entretenimento terminava em stress puro.

O Ricardo teve a oportunidade de conhecer Vancouver em duas viagens de trabalho. Na primeira vez, já se apaixonou! Na segunda visita, confirmou sua paixão. Desde então, mais ou menos em 2015, começamos a sonhar com essa mudança.

dreams pluto
Tipo isso… mas o sonho era Vancouver!

Algumas portas se abriram no caminho. Isso por que o chefe dele era canadense e isso possibilitou sonharmos com a mudança pro Canadá já com a permissão para trabalhar e o principal, com um emprego!!! Eu, como cônjuge viria com Open Work Permit (1 ano) vinculado ao Work Permit (2 anos) dele.



Eu sei que esse é o sonho da maioria das pessoas. Mas é preciso deixar claro que o meu marido não arrumou um novo emprego, em uma empresa totalmente diferente. Ele continuou na mesma empresa que já trabalhava no Brasil. E foi de dentro da empresa que correram os processos para essa mudança.

sherlock time
What time is it? It’s was past the time for this visa do come! #sherlock

E já adianto que nada era certo e muito tempo se passou desde que ele demonstrou interesse nisso em 2015, para finalmente conseguir um visto de trabalho canadense. O processo pela empresa demorou cerca de 2 anos!!!

Nesse meio tempo, ele trabalhou na empresa no Brasil. E tivemos até um período no exterior por causa do trabalho dele, em 2016, quando moramos na Colômbia por 6 meses. Nada parecia certo e honestamente nem sabíamos se ia realmente acontecer! Ou seja, vir com emprego garantido definitivamente não é a opção mais rápida, muito menos a mais fácil, se é isso que você está pensando.

A importância de ter vários planos

Como eu disse aí em cima, o processo pela empresa demorou cerca de 2 anos. Mas, nesse tempo não ficamos parados! Queríamos ir para o Canadá de qualquer jeito. E esse blog aqui foi crucial pro nosso planejamento.

O blog ajudou a gente a entender os requisitos para o EE, e aí depois disso a primeira coisa que fizemos foi calcular pontos do EE para os diversos possíveis cenários.

Determinamos então três planos! Os planos A, B e C. Há quem diga que não tem por que ter mais de um plano, mas acho essencial saber todas as suas possibilidades, se imigrar realmente é o seu sonho.

  • Plano A: Conseguir transferência pela empresa que o marido já trabalhava e aplicar para o PR já no Canadá.
  • Plano B: Ir para o Canadá com permissão de estudos + trabalho (study + work permit) e aplicar para o PR do Canadá.
  • Plano C: Arrasar no IELTS GT e aplicar para o PR do Brasil.

Como o plano A já estava correndo e não havia nada que poderíamos fazer para ajudar ou acelerar o processo, focamos nos outros dois. Até por que não queríamos depender somente da empresa. Fomos antecipando tudo o que podíamos, como por exemplo tradução de documentos e ECA (também fizemos pela WES). Lógico que tínhamos medo do plano A dar errado, por isso fizemos também IELTS Academic e GT, já mirando nos planos B e C caso preciso.

Chegando no Canada com emprego garantido

party hard celebrate
Tio Dumbledore sabe comemorar! HAHAHA A gente comemorou muito esse visto!

Nesse tempo o plano A foi acontecendo, enquanto fazíamos o necessário para os outros planos.

E eventualmente saiu o Work Permit do marido (vinculado a empresa que ele já trabalhava) com o meu Open Work Permit.

O meu visto me possibilitava trabalhar em qualquer empresa. O visto do Ricardo somente permitia que ele trabalhasse na mesma empresa que já trabalhava no Brasil. Ou seja, éramos totalmente dependentes do emprego dele para vivermos no Canadá.

Nossa mudança e nossos planos para vir acabaram acontecendo muito rapidamente depois que o visto saiu. A empresa tinha expectativa que o Ricardo começasse o quanto antes. E isso foi até um pouco complicado, mas no dia 15/05/2017 chegamos em Vancouver, e no dia seguinte ele já começou a trabalhar!

Express Entry = Independência

Muito mais que vir para o Canadá, o Express Entry e o visto de Residente Permanente significavam para a gente ter liberdade. Por isso, chegando no Canadá, com ECA e IELTS em mãos, já deixamos nosso perfil do EE criado, na época com 370 pontos.

Tipo a nazaré confusa fazendo as contas para os CRS points.

Faltando 1 mês para completar 1 ano de experiência de trabalho canadense do meu marido (em 16/04/2018), o perfil do EE atualizou sozinho adicionando os pontos relativos.

Nisso percebemos que, pra chegar na pontuação necessária (em torno de 445 CRS points na época), o meu marido (aplicante principal) teria que melhorar a nota do writing no IELTS GT.

O prazo foi curtíssimo, ele estudou usando o curso online do Casal Nerd de Writing em 1 semana. Estávamos com o coração a mil!

Enquanto esperávamos o resultado já fomos adiantando alguns outros documentos. Sabe aquela tentativa de reduzir a ansiedade?! HAHAHAH #rindodenervoso

Em 13 dias, finalmente o resultado do IELTS chegou! Ele conseguiu aumentar a nota no writing! Atualizamos o perfil do EE e batemos 447 pontos (em 08/05/2018). Pra nossa felicidade no dia seguinte já aconteceu um novo draw. TÍNHAMOS O ITA!

Depois disso, mandamos os documentos em menos de um mês. Afinal, com a ajuda desse blog, já estávamos com muita coisa adiantada! Nosso AOR chegou no dia 06/06/2018. Aí veio a parte que fica um pouco diferente!

Interview? IN PERSON? OMG!

Nosso processo não andava quando olhávamos o myCIC. Estávamos mega ansiosos, por que NADINHA tinha mudado! Mas tinha apenas um mês, tentamos manter a calma. Mal sabíamos nós, que o processo estava andando sim, e perto do fim! Em mais ou menos, em um mês do AOR recebemos uma carta-convite para uma entrevista.

Só para vocês terem uma ideia da aparência da carta – essa é a nossa!

Só que não fomos nós que recebemos a carta! “Como assim?!” – você vai me perguntar! Bem, como nosso primeiro processo de visto (os work permits da empresa) havia sido feito por uma terceirizada (Fragomen), eles ainda constavam como nossos representantes. Então essa carta chegou para eles!

A carta chegou dia 10 e no dia 11/07/2018, a Fragomen entrou em contato com o meu marido perguntando se ele tinha alguma aplicação em andamento com o CIC. Eles não sabiam de nada pois estávamos fazendo tudo sozinhos! #valeucasalnerdnocanada

Ele óbvio que respondeu que sim! Então a Fragomen encaminhou a carta-convite pra nós. Na mesma hora entramos no perfil do EE. E realmente não tinha nada atualizado lá!!! Até o final do processo não atualizou mais o status.

Nós entendemos que (por algum motivo) começaram a enviar as notificações para a consultoria da primeira aplicação! Mesmo que a aplicação do PR tenha sido uma aplicação NOVA, e mesmo nós não tendo enviado o form de representative… de alguma maneira as 2 aplicações estavam linkadas. #ficaadica

Trazer duas fotos? Isso parece coisa de PPR no Brasil ein!

Na carta, a data da entrevista já veio marcada, para o dia 31/07/2018. E lógico que vem com aquele aviso super assustador de que se você não comparecer, seu processo pode ser recusado.

Não tínhamos ideia do que ia acontecer nessa entrevista. Mas como na carta falava sobre levar fotos, suspeitávamos que essa entrevista era coisa boa!

A entrevista em downtown Vancouver

Conforme pedido, chegamos no prédio alguns minutos antes. Tocamos a campainha e um segurança abriu. Informamos  sobre a entrevista marcada. Ele perguntou o horário e deixou a gente entrar. Pediu pra gente assinar uma folha e esperar. Nessa folha o aplicante principal (Ricardo) teve que colocar nome completo, número da aplicação e o horário que estava agendada a entrevista.

Estávamos numa sala pequena, e devia ter umas 15 pessoas mais ou menos, não mais que isso. Sentamos bem em frente a umas cabines de atendimento, mas elas estavam todas fechadas. Deu o horário em ponto e começaram a abrir as cabines. Pontualidade praticamente britânica!

Chamaram umas 2 aplicações, não demoraram muito e nos chamaram, pelo nome. Um cara muito simpático nos atendeu. Enquanto iniciava o sistema fez umas piadas dizendo que o sistema era muito lento e tal. Ficamos mais tranquilos pois ele era bem amigável.

Entrevista ou Landing?

Quando o sistema pegou no tranco, ele começou pelo Ricardo. O agente consular perguntou sobre o trabalho dele, o que ele fazia e depois pediu para ele confirmar os dados em uma folha (endereço, e-mail, telefone, nome… essas coisas).

Depois repetiu a mesma coisa comigo, perguntou minha profissão e pediu para eu confirmar meus dados. Tivemos que responder também se já cometemos algum crime e se algum visto já nos foi negado.

Entregamos as fotos pedidas na carta, ele perguntou se tínhamos dúvidas e o Ricardo comentou sobre a confusão da carta. O rapaz disse que a gente não precisava se preocupar pois a aplicação no site do CIC não seria mais atualizada e que não precisaríamos entrar lá nunca mais. E então ele disse: “Congratulations! You are now permanent residents of Canada!”

Isso foi o tanto que eu gritei pro dentro! #todoscomemora PR! PR! PR!

Deu maior vontade de gritar na hora, mas me controlei!!! Depois disso ele explicou os próximos passos, coisas como quando nós poderíamos aplicar para a cidadania, o quanto o documento de Co-PR era importante.

 

Ele também explicou que não poderíamos viajar enquanto não chegasse o PR, caso fosse necessário como conseguiríamos entrar novamente no Canadá e também que deveríamos o quanto antes atualizar nosso SIN para um permanente.

Ele cancelou nossos vistos e work permits nessa hora, nos entregou o CoPR e acabou! Ou seja, essa entrevista não era uma entrevista, ela foi o nosso landing! Bem num escritório no meio de Vancouver!

Finalmente Residentes Permanentes

Entre a entrevista e a chegada dos nossos PR cards deve ter se passado um mês e meio. Como a gente não teve problema na foto do PR card, a gente nem se preocupou muito, afinal ainda chegou rapidíssimo!

No nosso dia-a-dia nada mudou. Continuamos trabalhando nas mesmas empresas, morando na mesma casa, tudo igual! Quando voltamos pro Brasil para visitar esse ano, usamos o PR pela primeira vez pra re-entrar no Canadá. Devo confessar que a sensação foi muito boa! Tanto de usar o PR finalmente quanto de estar voltando para ***casa***.

Nosso processo foi ímpar, muitas portas se abriram no caminho e nós não desperdiçamos nenhuma das oportunidades que nos apareceram. Dentre diversas coisas boas que ocorreram nessa caminhada, o blog Casal Nerd no Canadá está entre elas.

Ele foi criado bem no momento em que começamos a nos planejar lá no Brasil e na busca de informações mais precisas e detalhadas encontramos vocês, Rey e Han! Vocês que de coração entregaram essas preciosas informações de bandeja para nós e me fez crer que podíamos aplicar para o PR sem depender de nenhuma consultoria de imigração.

Obrigada de coração! Vocês são parte do sucesso no nosso processo (e da nossa vida também <3)! Se ficar alguma dica dessa história toda é que nunca deixe de planejar e correr atrás do seu sonho. Uma hora ele vem! Mesmo que demore 2 anos para chegar no Canadá!